A juíza Ana Claudia Barreto, da 5ª Vara Criminal do Distrito Federal, determinou na noite desta terça-feira a libertação do bicheiro Carlinhos Cachoeira. O alvará de soltura do contraventor, cujas atividades motivaram a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso Nacional, foi expedido às 19h01. Preso desde o dia 29 de fevereiro, Cachoeira, atualmente no presídio da Papuda, em Brasília, deve ser libertado ainda nesta terça.

A expedição do alvará ocorreu após a juíza do Tribunal de Justiça do Distrito Federal ter confirmado a condenação do bicheiro a cinco anos de reclusão pelos crimes de formação de quadrilha e tráfico de influência em regime semiaberto. A sentença se refere às atividades do contraventor em esquemas criminosos no Distrito Federal, investigados pela Operação Saint Michel, desencadeada pela Polícia Civil do DF.

Para os policiais, o bando de Cachoeira tentou fraudar o sistema de bilhetagem eletrônica do transporte público na capital federal, tentando infiltrar uma empresa sul-coreana na empresa pública de transporte do Distrito Federal e, com isso, obter 50% dos lucros do contrato de bilhetagem.

Paralelamente à decisão de soltar Cachoeira, determinada nesta terça-feira, a defesa do bicheiro já havia impetrado um novo pedido de habeas corpus para garantir sua liberdade. No entanto, um pedido de vista interrompeu a conclusão do caso. Com a autorização de liberdade decretada hoje, na retomada do outro julgamento, a solicitação deve ser declarada prejudicada.

De acordo com o criminalista Antonio Nabor Bulhões, que atua na defesa do contraventor, com a confirmação do alvará, a 5ª Vara encaminhará a decisão judicial ao presídio que, por lei, vai verificar a veracidade do documento. Em seguida, antes da libertação do condenado, é realizado um exame médico para atestar as condições físicas do detento.

Monte Carlo – Carlinhos Cachoeira foi o protagonista da Operação Monte Carlo, que revelou que o esquema de contravenção que atuava para corromper empresas e governos estaduais em proveito do esquema criminoso. Os braços da quadrilha envolviam a construtora Delta, uma das maiores empreiteiras com maior contrato junto ao governo federal.

No périplo judicial do bicheiro goiano, sua principal batalha era tentar anular os grampos telefônicos que desvendaram a relação próxima de governos estaduais, como o de Goiás, e de empresas laranjas no esquema criminoso relevado por escutas da Operação Monte Carlo da Polícia Federal. Se consideradas ilegais as interceptações, feitas com autorização da Justiça, os réus presos seriam libertados por falta de base para acusação. O Tribunal Regional Federal da 1º Região, em Brasília, considerou todos os grampos dentro da lei.

A partir da denúncia anônima de um esquema ilegal de exploração de jogos, o Juiz de Direito da 1ª Vara de Valparaíso de Goiás havia autorizado a quebra dos sigilos telefônicos de Carlinhos Cachoeira e de seus comparsas, garantindo a investigação.
Fonte e Imagem: Abril - Veja

Escolha qual rede social e comente:

0 comments: