Após a montagem do processo, houve tramitação célere, pelo Comando de Operações de Defesa Civil (Corpo de Bombeiros Militar) e pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil
Fortes chuvas se abateram em Formosa no começo de mês de fevereiro, causando inundações e alagamentos em diversos pontos da cidade. Aliado a isso, houve ainda contaminação de leitos d'água e interrupção do trânsito em várias ruas.

Com a atuação do Corpo deB ombeiros Militar, as ações de socorro principais foram implementadas e, urgentemente, a equipe de avaliação de danos da Prefeitura de Formosa, sempre representada junto a Companhia de Bombeiro Independente Militar de Formosa por seus técnicos envolvidos, tratou de buscar meios de garantir que a situação anormal provocada por desastre fosse devidamente reconhecida, para que medidas possam ser tomadas no sentido de restabelecer a normalidade e prevenir futuros sinistros.

A equipe municipal, formada pela Procuradora, Dra Camila Miranda, pelo Superintendente Jorge Saad Neto, pelos assessores Iany Macêdo e Tarlley Iamaro de Araujo, e pela chefe de gabinete Amanda Rocha Lima, se apressou na busca pelas informações e pelo assessoramento necessário junto à Regional de Proteção e Defesa Civil para que, juntos, formulassem uma documentação robusta no objetivo de responder o quanto antes às necessidades sociais.

Após a montagem do processo, houve tramitação célere, pelo Comando de Operações de Defesa Civil (Corpo de Bombeiros Militar) e pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Ministério da Integração Nacional).

De agora por diante, cabe ao município elaborar planos de trabalho que, se aprovados pela União, implicam em repasse de verbas para devolver à normalidade às áreas afetadas, prevenindo novos desastres.

A situação de Emergência provocada por desastres, causando danos e prejuízos que impliquem o comprometimento parcial da capacidade de resposta do poder público do ente federativo atingido.

Fonte: Companhia de Bombeiro Independente Militar de Formosa

Escolha qual rede social e comente:

0 comments: