Foto: Amanda Moura/arquivo/pessoal
Um embate que irá entrar para história do município, de um lado a Igreja Católica de Formosa e de outro ambientalistas formosenses. 

Após a Prefeitura Municipal de Formosa doar o espaço da praça para a igreja em 2010, e o pároco encomendar a revitalização da praça – possibilitando o corte de 28 árvores que ali estão – instaurou-se um conflito entre a população e a diocese.

Representantes do Fórum Permanente de Meio Ambiente de Formosa, contaram com a participação de vários portais e jornais renomados, como G1, Correio Braziliense, Jornal de Brasília entre tantos outros. Alegaram que 70% da população são contra a retirada das árvores, que ali estão desde 1965.

O que alertou os ambientalistas foi à retirada de cabos e fios que passam pelas árvores na sexta (18) com intenção de que as retiradas das árvores se efetivassem no sábado (19).

Procurado pelo portal de notícia da globo, o responsável pela igreja, Dilmo Franco de Campos, está em um retiro religioso e só volta na próxima segunda-feira (21).
O prefeito da cidade, Itamar Barreto, confirmou ao G1 que o corte das árvores faz parte de um projeto de reurbanização e reforma da praça, que é propriedade particular da igreja.
“É um projeto de reurbanização interna, ou seja, a igreja contrataria uma empresa para cortar as árvores e reformar o local, o que é perfeitamente possível, já que se trata de um local de domínio próprio. Agora, a prefeitura é favorável à decisão e, inclusive, pode participar desde que haja um acordo para que novas mudas sejam plantadas no local. Então, podemos ajudar e estamos dispostos a plantar quantas árvores forem necessárias”, afirmou o prefeito ao G1.
Por meio de uma ação popular impetrada pela advogada do Fórum Permanente de Meio Ambiente, Leila Menezes Elias, o Juiz de Direito da Comarca de Formosa, determinou que a Diocese de Formosa se abstenha de cortar qualquer árvore com multa de R$ 10 mil para cada árvore cortada, podendo ainda sofrer processos pelo crime de desobediência.
Reprodução/Cópia da setença/Janaina F.

Observou que ao parecer, a reforma da Praça da Catedral, não foi suficientemente discutido com a sociedade, e tampouco que o ato goza de autorização/licença do Poder Público competente, de modo que a execução trará inegável prejuízo à comunidade, e que será irreversível o dano ambiental.

Com a decisão a favor dos ambientalistas, o Fórum Permanente de Meio Ambiente (Formosa-GO) fica fortalecido, conquistou voluntários e faz vigílias na praça desde sexta. Organizou manifestações e reuniu pessoas para lutar contra o corte das árvores.
Janaína Faustino, Zezé Weiss, Fabiano Rabelo, Ieda Vilas-Boas, George Diab e muitos outros estiveram presente na vigília e participam do Fórum Permanente de Meio Ambiente, caso alguém queira se voluntariar, fale com um dos membros.

Escolha qual rede social e comente:

5 comments:

  1. Eu fico imaginando se deus tivesse um pensamento medíocre como estes pseudo ambientalista o homem ainda estaria na caverna kkkkkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  2. O que eu fico indignada é que esses nossos "heróis ambientalistas" não fizeram e não fazem nada a respeito na poluição em nossas nascentes e fontes, sobre a devastação do nosso cerrado, e da poluição diária que vemos gente queimando galhos, jogando lixo na rua e usando carros sem necessidade aumentando assim o nível de emissão de gases poluentes.
    Mais eu sei porque: "São essas 28 árvores que vão salvar o mundo do aquecimento global." Tem que ser isso pois se não for gostaria de saber porque tanto apresso por elas (ou teria algum motivo encoberto??).
    Essas pessoas não podem falar por toda a comunidade formosense, são apenas meia dúzia. O certo é consultar a população: Votação, e viva a decisão do povo!! #ReurbanizaçãoDaPraça

    ResponderExcluir
  3. Não se pode levar em consideração a opinião dessa pessoa que teceu comentários aí né? Porque além, de não mostrar a cara, nem sabe escrever direito. Eu tenho APREÇO, por pessoas que assumem uma posição e que respeitam, no mínimo, a própria língua! Derrubem a igreja e plantem árvores, que são muito mais úteis e benéficas!

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia este espaço. Achei interessante. Agora se a afirmação do colega Anonymous você julga que não deve ser levada em consideração, a sua - de derrubar a Igreja e plantar árvores - deve? A discussão da derrubada das árvores tomou um foco diferente daquele que se propunha: Revitalização de uma praça. Mas pelo que a população pleiteia e até mesmo os comentários que leio me levam a crer que uma discussão propositiva a respeito desse tema remete à um viés ideológico/religioso. Acho que não é esse o objetivo.

    ResponderExcluir
  5. Arvores nascem, crescem, florescem, perecem, apodrecem e renascem... portanto podem ser cortadas sim e plantadas outras. Vamos fechar a boca destes estrangeiros que vem aqui divulgar estas falácias aquecimentistas. Chega de abobalhamento midiático da Rêde Bôbo.

    ResponderExcluir