Menu

Vendo "Older Posts"

Vendo "Sinprefor"

Sinprefor concede entrevista e revela ações do semestre

10 julho 2015 / Sem comentários

O site Entorno Urgente reuniu com o Sinprefor, Sindicato dos Servidores Municipais de Formosa, para conhecer as ações da entidade durante este semestre. A direção da entidade participou da roda de conversa.

O sindicato falou de demandas encaminhadas para a Prefeitura, Câmara, Ministério Público e até para a Justiça. Também foi falado sobre data-base, piso e tabela salarial, assuntos polêmicos que elucidam as dúvidas de servidores. 

Entorno Urgente: Quais foram as atividades desenvolvidas pelo sindicato desde janeiro?Sinprefor: “Teve a greve, várias reuniões com a administração, em média 20, vários processos encaminhados para a justiça. Inclusive o Ministério Público está solicitando o piso, data-base, já é um dos resultados da greve. Foram 50 demandas de serviço que foram encaminhadas para Prefeitura, Câmara, MP, Justiça, algumas foram respondidas e outras em fase de análise. Se acharmos que está inviável a resposta vamos recorrer para CGU e outros polos de fiscalização.”

EU: O que tinham nas demandas encaminhadas?
S: “As principais demandas são relativas à folha de pagamento, no caso, acesso aos dados. A Prefeitura até hoje respondeu parcialmente alguns pedidos do Sinprefor. A Câmara até hoje não recebeu nenhum dos documentos requeridos. Gostaria que a Câmara fizesse um trabalho desse tipo, de buscar dados para poder fomentar a fiscalização. Para verificar se tem algum erro mesmo. Foram dois anos e pouco de Prefeitura e não tem um levantamento amplo.”

EU: O que foi realizado nas blitzes educativas do sindicato?
S: “Levamos para os servidores o conhecimento do trabalho do Sinprefor. Normalmente são informações como leis, andamento das demandas, das assembleias. A dúvida maior dos servidores é a questão da data-base, piso e tabela salarial. O servidor vê com grande importância a blitz, pois é o contato mais rápido e mais próximo de informações do sindicato. Quando nós chegamos e tiramos as dúvidas eles se sentem mais protegidos e valorizados. Nós vemos as situações, registramos denúncias, e notamos quando o ambiente de trabalho está sem EPI. Com as visitas já foram flagradas várias situações.”

EU: Como está o andamento da data-base
S: Foi realizada a greve, que é a fase de discursão com a categoria, com o fim da greve foi deliberado que fosse dado um prazo para a Prefeitura efetuar o pagamento e o planejamento de pagamento. O planejamento não aconteceu, então foram tomadas as providências que foi a reunião com os funcionários para entrar com os processos judiciais e no mesmo tempo foi provocado o Ministério Público. O MP entende que o acordo feito entre Sindicato e Prefeitura foi um TAC, Termo de Ajuste de Conduta, e já está executando ele. A última informação que tivemos foi que ele tinha concedido um prazo para Prefeitura responder e a partir daí iria tomar as providências junto à justiça. Enquanto não sai já estamos buscando outras providências, por exemplo, estamos planejando outras caminhadas e movimentos para incorporar a situação. Se até agosto não tiver nada, iremos buscar junto o MP saber o que houve e continuar o trabalho. Não só o Sinprefor, junto com outras entidades buscar o direito do funcionário. Se não for resolvido aqui iremos buscar outros órgãos e entidades. Solicitamos que os funcionários estejam unidos para estarmos juntos.”

EU: A tabela salarial é outro ponto polêmico, o que já aconteceu?
S: “Solicitamos dados para Prefeitura, esses dados foram atendidos parcialmente. Não temos todos os dados, até então. Estamos procurando a Câmara para buscar estes dados e fazer uma fiscalização. Além disso, estamos buscando fazer reuniões com os funcionários para estar tendo uma noção, porque junto com a tabela vem o plano de carreira. A proposta é fazer o plano de carreira mais a tabela, prevemos que até dezembro tenhamos propostas já fixas para estar sendo encaminhado e encabeçar as próximas lutas.”

EU: Quantos processos foram realizados?
S: “Foram por volta de 700 processos. Praticamente versando sobre data-base e piso. Além desses tem titularidade, mudança de nível, incentivo funcional, basicamente todos os direitos previstos no Estatuto tem dificuldade para receber.”

EU: Como está o andamento do plano de carreira das ACE/ACS
S: “Foi encaminhado para secretaria de Saúde, já aconteceu a primeira reunião e o mesmo processo está encaminhado para o jurídico e administração da prefeitura. Eles têm um prazo para realizar os levantamentos. Estamos aguardando a reunião com eles para conversar sobre a proposta.”

EU: Que dia vai ser feita a ‘Caminhada e Assembleia Abre o olho Formosa’?
S: “Será dia 6 de Agosto. A intenção é questionar as contas da prefeitura, falta de fiscalização, cobrar de um modo geral, resultado. Porque a tabela, data-base, piso, depende disso, a Prefeitura passou só uma parte dos dados que não é suficiente para fazer um estudo abrangente.”

EU: Quantas assembleias foram realizadas este ano?
S: “Foram cerca de 10 e uma greve. Poucos sindicatos realizaram isto no Brasil inteiro. Isso só em um semestre. Algumas reuniões na greve foram até de madrugada.”

EU: A sede do sindicato foi ampliada?
S: “Sim, ampliamos a sede que fica localizada na Herculano Lôbo, 80. O objetivo foi ter uma área maior para reunião de grupo. Nós vamos começar a fazer as reuniões de categoria por categoria. Ter grupos reduzidos para um debate maior. Deve iniciar com o pessoal da saúde o Plano de Carreira, depois administrativo e magistério. A expectativa é conversar com mil pessoas.”

EU: Quais as próximas ações do sindicato?
S: “Devemos realizar uma análise do clube para averiguar a situação. Pode acontecer alguma reforma. As reuniões das tabelas deverão acontecer em breve. A intensificação da comunicação, devemos ter nos próximos dias um site. Vamos tentar voltar com o informativo e buscar outras formas de notícias, por vídeo, áudio, para fazer algo estruturado. Provavelmente em agosto será a volta dos planos de carreira, julho será o planejamento do sindicato como um todo.”

Participaram da roda de conversa, os diretores do sindicato. Alex Nunes (presidência), Karla Castro (finanças) e Suyenne Borges (secretaria geral).

Sinprefor realiza comemoração do Dia das Crianças

13 outubro 2014 / Sem comentários

O Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Formosa realizou nesse domingo (12), a comemoração do Dia das Crianças. Cerca de 300 crianças participaram da festividade que encheu o Clube Social da entidade.

A organização da festa foi realizada pela Karla Castro, uma das diretoras do sindicato. “Eu só tenho a agradecer a Deus e a todos que me ajudaram a organizar esse evento maravilhoso no dia que é o dia das crianças. Dia maravilhoso no Sinprefor Formosa”, declara Karla.

O Sinprefor também divulgou uma nota onde agradece os servidores. “Agradecemos também a todos os funcionários do SINPREFOR que estiveram presentes para assegurar o bom andamento da festividade. O apoio e auxílio foi de suma importância para o sucesso do projeto “, relata. “Todo o trabalho realizado em torno deste projeto foi para que todos pudessem desfrutar da melhor forma de uma boa estrutura de evento. Inclusive, não foi registrado ou constatado nenhum problema durante o festejo” emenda.

Foto: Reprodução/Clube Social do Sinprefor no Dia do Trabalhador

Confira o resultado das eleições do Sinprefor

01 outubro 2014 / Sem comentários



Com 95,75% dos votos válidos, a Chapa Única foi eleita nesta quarta-feira (30). A posse dos novos diretores ocorre no dia 01 de janeiro de 2015. Serão mais três anos de mandato. Em nota divulgada nas redes sociais, o Sinprefor agradece a todos os servidores filiados que participaram das eleições.

A direção executiva é formada pelo:
 

Presidente: Alex Nunes
Vice-presidente: Darcy (Garagem)
Secretária Geral: Suyenne (Professora)
Finanças: Karla Castro (ASHA)
Finanças: Tânia Maria (Professora)
Jurídico: Socorro (Professora)
Comunicação: Nilton (ACS)
Lazer: Ricardinho (Garagem)
Promoção Social: Fabiano (Professor)
O conselho fiscal é composto por Valéria (Professora), Ana Paula (Hospital) e Glaucimeire (ASHA).

Sinprefor mobiliza servidores para assembleia na quinta-feira

11 março 2014 / Sem comentários
Reprodução/Arquivo
O Sinprefor, sindicato dos servidores públicos do município de Formosa caracterizou como surpreso, após ouvir o “pacotão” de medidas criado pelo prefeito Itamar Barreto. A nota publicada pela entidade na manhã desta terça-feira (11), convida para a V Assembleia Extraordinária Geral, com a pauta de debate em torno das propostas que foram para a Câmara bem como a contraproposta da Prefeitura que, por enquanto, não se modificou.

O sindicato ainda aguarda a reunião prometida e espera poder retirar os assuntos da Câmara.

Confira a trajetória da Sinprefor durante os último ano: Sinprefor

Confira a nota na íntegra:

OLÁ COMPANHEIROS E COMPANHEIRAS- AS NOTÍCIAS NÃO SÃO DAS MELHORES

O prefeito participou de duas entrevistas na manhã desta terça-feira (11) e segue irredutível com o planejamento de diminuir os gastos com a Folha de Pagamento sobre os servidores efetivos. Por mais que o sindicato tivesse feito grandes esforços na reunião de ontem a tarde (10) para modificar a proposta da prefeitura para que atendesse a demanda proposta pelos trabalhadores em Assembleia, a reunião não evoluiu e o sindicato saiu do gabinete com a promessa da uma nova reunião com o prefeito hoje (11) depois de falar com os vereadores ainda ontem.

O anúncio do "Pacotão" surpreendeu o SINPREFOR uma vez que acreditava-se que haveria nova reunião para tratar sobre o assunto hoje e a expectativa do sindicato era de tentar preservar os direitos dos funcionários, as propostas que, segundo o prefeito afirmou nas rádios, vai para a Câmara são:

- QUINQUÊNIO DE 10% PARA 3%;
- GRATIFICAÇÃO DE ZONA RURAL DE 70% PARA 15%;
- GRATIFICAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DE SECRETARIA DE 40% PARA 15%;
- REDUÇÃO DOS SALÁRIOS DOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS, VICE PREFEITA E PREFEITO;

A expectativa do sindicato em nova reunião hoje seria o de buscar meios para que surgisse uma proposta que atendesse a demanda dos trabalhadores com antecipação de parcelas ou diminuição de prazos na Tabela Salarial. Assunto que também não evoluiu positivamente.

A sessão com os projetos de leis ainda não foi marcada pelo presidente da Câmara, caso as propostas cheguem ainda hoje o mesmo tem um prazo de 24 horas para realizar a marcação da sessão.

Dia 13 de março de 2014 às 10h teremos a nossa V Assembleia Extraordinária Geral e a pauta é o debate em torno das propostas que foram para a Câmara bem como a contraproposta da Prefeitura que, por enquanto, não se modificou. O sindicato ainda aguarda a reunião prometida e espera poder retirar os assuntos da Câmara.

Assembleia do Sinprefor aceita tabelas salariais com ressalvas e cobra aceleração na negociação dos Planos

12 fevereiro 2014 / Sem comentários


Na última segunda-feira (10), cerca de quatrocentos funcionários públicos municipais de Formosa, em conjunto com o SINPREFOR voltaram para a Praça da Prefeitura para analisar a proposta de tabela salarial encaminhada pela prefeitura bem como para definir os próximos passos em relação à negociação dos Planos de Carreira do Administrativo, Saúde e Magistério.

Tabela Salarial

Na proposta encaminhada pela Prefeitura ao sindicato ainda na semana passada constam as tabelas salariais de todas as categorias municipais. Nela, a complementação constitucional deixaria de existir e os vencimentos passariam a ficar acima do salário mínimo.

Em assembleia, o presidente do sindicato iniciou o assunto dizendo que a proposta encaminhada era razoável e devia ser analisada por todos: "Agora temos uma proposta que, diferente da do Plano encaminhada na última Assembleia, é sentar pra analisar com cuidado, paciência e cautela. Porque o que temos em mão hoje é algo razoavelmente bom" disse ele.

Depois das falas iniciais, a assembleia ficou suspensa por cerca de meia hora para que fossem entregues cópias das tabelas aos presentes para que eles pudessem analisar melhor.

Durante a pausa, os professores alertaram que a tabela salarial ora encaminhada considerava o INPC e não o Piso Salarial. No caso dos funcionários que integram o quadro dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, que possuem tabela salarial em apenas um nível separada da tabela geral, os representantes da categoria que estavam na assembleia pediram para que fossem integrados ao quadro geral da saúde.

No retorno à Assembleia, a proposta de tabela dos professores sequer foi colocada em votação pois, conforme os presentes tinham observado, tratava-se de uma tabela ilegal pois não estava corrigida de acordo com o Piso Salarial.

Por outro lado, as categorias ligadas ao Administrativo e a Saúde aceitaram suas respectivas propostas. Também foi aprovado que os ACS e ACE se enquadrassem na tabela geral da saúde no nível 3.

Progressões Verticais
Atualmente várias categorias possuem apenas uma progressão vertical no decorrer do trabalho no setor público. Muitos inclusive progridem apenas após os 10 anos de trabalho e, a partir dessa única progressão, só possuem a carreira horizontal.

Outras tem a progressão de cinco em cinco anos mas nenhuma tem a progressão vertical que contemple o trabalhador até o final de sua carreira.

Portanto, baseado nisto e na proposta encaminhada pelo sindicato, a Assembleia discutiu sobre a progressão vertical no Administrativo e Saúde para que, na negociação do plano, a proposta seja negociada por parte do sindicato.

Avaliação de Desempenho
Outra proposta da Assembleia que deverá ser negociada é em relação às Avaliações de Desempenho para que os métodos de avaliação também fossem inseridos na lei.

Na análise do presidente Alex, a Assembleia fez uma boa discussão e ele acredita que a luta pode dar frutos: "Não iria adiantar fazer uma ótima tabela e uma boa progressão se a avaliação de desempenho puder ser usada como instrumento de perseguição e travar todo mundo na tabela. Acredito que a Assembleia foi muito inteligente em debater esses pontos e também acreditamos que a própria Prefeitura deverá avaliar e acatar o que foi feito aqui. Vamos fazer com que o interesse do trabalhador ser atendido e ver o que a Prefeitura terá de proposta pra a gente trazer pra a Assembleia do dia 17" declarou ele.

Prazos
Durante a semana o sindicato se reunirá com representantes da Prefeitura para levar o resultado da Assembleia e definir detalhes referentes ao encaminhamento da proposta para a Câmara. Caso isso ocorra, a Assembleia aprovou cautelosamente que apenas a tabela deveria ser enviada e, posteriormente e com toda a cautela necessária, fossem discutidos os outros pontos.

Caso os outros pontos também sejam negociados durante a semana com a Prefeitura e surja a possibilidade de que todos os pontos sejam atendidos sem prejuízos de qualquer natureza ao trabalhador, a proposta será analisada novamente por Assembleia marcada para o próximo dia 17 de fevereiro às 10h que poderá acatar ou não a proposta ou ainda elaborar uma nova contraproposta.

Assembleia do dia 17
A Assembleia do dia 17 trará informações referentes ao prazo das tabelas, se as alterações sugeridas pelos trabalhadores serão incluídos e o prazo para que as tabelas sejam encaminhadas para a Câmara e se tornem lei. "Queremos debater a possibilidade de ao menos as tabelas serem encaminhadas para sessão. Mas precisamos debater, negociar e encaminhar novamente para a Assembleia" disse Alex.

No caso da progressão e da avaliação de desempenho, que também serão negociados em conjunto durante a semana, o resultado desta negociação também será colocado em discussão na Assembleia do dia 17.

"É importante sempre lembrar que a Assembleia acatou as tabelas com algumas ressalvas. A progressão e a avaliação, serão dois tópicos que vão ser debatidos e, por melhor que sejam as propostas, vão ser debatidas com quem de fato lhes interessa: os trabalhadores, em Assembleia convocada pelo sindicato. Essa é nossa obrigação e o nosso dever que sempre cumprimos com muita cautela, dedicação e responsabilidade" finalizou Alex.

A Assembleia ocorre no dia 17 de fevereiro (próxima segunda) às 10 horas na Praça da Prefeitura. 

Fonte: Sinprefor

Greve deflagrada pelo Sinprefor foi suspensa

12 setembro 2013 / Sem comentários
Assembleia iniciada às 14h00 define suspensão da greve após pequeno avanço na pauta. Entre os pontos estão o parcelamento em 7 vezes ao invés de 10 parcelas dos retroativos com a garantia de que os direitos trabalhistas do ano que vem não sejam atrasados (data base 2014, Piso 2014 e demais direitos previstos no Estatuto).

Só hoje nos foi passado dados precisos sobre os atrasados o que prova que se tivesse sido passado anteriormente, teríamos entrado num consenso mais cedo.

Sobre os Planos de Carreira, em que a Prefeitura ficou de passar um posicionamento amanhã sobre a proposta do sindicato até o dia 26 de setembro o Poder Executivo terá uma equipe isenta para o trabalho de modo que até o dia 26 de outubro deve ser passado o resultado da negociação do Plano de Carreira e da Tabela.

"Importante lembrar que diferente de 2012 e de 2013, em 2014 não iremos mais ter que parar pra ficar cobrando atrasado. Isso é um retrocesso muito grande. Os trabalhadores querem melhorias, não negociar coisas do passado que, por alguma ineficiência de gestão é penalizado. Para 2014 há a certeza de que retroativo não entrará em pauta" disse Alex sobre a negociação do parcelamento.

Ele ainda frisou a importância da derrubada das 10 parcelas: "A força do movimento fez com que a Prefeitura voltasse atrás e diminuísse o número de parcelas tendo de rever uma situação para que se pagasse em menos. No caso, chegou-se ao consenso das 7 parcelas".

Por fim o presidente ainda alertou a situação dos Planos de Carreira: "Não podemos cair na bobagem de querer um Plano de Carreira e uma Tabela pra ontem pois essa é uma lei que uma vírgula pode tirar muito da gente. É o documento mais importante do trabalhador e tem que ser trabalhado com cuidado. A garantia da participação do servidor nesse processo é fundamental. Não sei se tem isso, mas pode ter certeza que uma contra-proposta amanhã, com certeza ela não seria aceita. E criar um ambiente de negociação ampla é o mais importante. Afinal, fazer um Plano qualquer não atende o trabalhador. Cautela é necessária nesse ponto para que depois não nos tornemos vilões" afirmou ele.

"A greve está suspensa e temos Assembleia dia 27 de setembro. Um dia após a primeira data marcada. É tempo suficiente para todos nós nos mobilizarmos em torno exclusivamente dos Planos e Tabelas. E assim que o trabalhador perceber que pode estar sendo tapeado ou que se está ganhando tempo, teremos todos os meios para retornar para a greve. Tudo depende da Prefeitura. Se tiverem agilidade para realizar o estudo da nossa proposta, o servidor vai enxergar o interesse da Prefeitura em os ajudar e teremos situações mais tranquilas pois finalmente o nosso objetivo será alcançado que é de o servidor ser o primeiro lembrado para ser beneficiado" disse Alex.

O ponto dos 10 dias de greve não será cortado de modo que as escolas terão liberdade para definir o seu calendário de reposição em conjunto com o Conselho Municipal de Educação. Também ficou garantido que nenhum grevista terá seu cargo ou posto de trabalho modificado após a greve. É a garantia do direito de greve. "Esperamos que os grevistas percebam que essas situações que falam sempre é algo que deve ser negociado em conjunto com a pauta".

Alex ainda finaliza dizendo o seguinte: "O sindicato faz o que o servidor quer, deixamos o microfone aberto hoje mais uma vez para todos que quiserem fazer uso da palavra falarem. A decisão foi do grupo que optou pela suspensão. Algumas pessoas não gostaram e tem seu direito, mas é a nossa primeira greve e qual foi a outra gestão sindical que propiciou isto? De criar uma negociação de Plano de Carreira com todos, de se derrubar a proposta da Administração, de ficar 10 dias em greve? O microfone ficou aberto para poderem se expressar e dar sua opinião em torno de tudo. Fizemos nossa parte mas no fim quem decide é o trabalhador. E o trabalhador que quer a mudança já está convocado para a Assembleia do dia 27 de setembro para acompanharmos a negociação. A união faz a força e é importante lembrar que o avanço as vezes não é sentido agora, mas poderá ser sentido nos próximos meses e se não sentir, estamos aqui pra grevear mais uma vez. Vamos conscientizar os nossos colegas para mostrar a força que tivemos e lembrar que se tivéssemos mais colegas, teríamos parcelado em uma única vez, TODOS fizeram parte disso, desde o que foi até o que não foi. Portanto o avanço que tivemos foi graças a TODOS. Parabéns!" finalizou.

Fonte: facebook/Sinprefor

Governador de Goiás entrega certificado aos concluintes do Bolsa Futuro

07 setembro 2013 / Sem comentários
Governador Marconi Perillo realizando a
entrega de um certificado do programa
'Bolsa Futuro' em 06/09/2013
O Governador de Goiás esteve presente em Formosa na manhã desta sexta-feira (06), realizando a entrega do certificado aos concluintes do programa Bolsa Futuro.

A grade de cursos da primeira fase do Bolsa Futuro foi composta por 10 qualificações específicas para o trabalho: Eletricista e Encanador, Cuidador de Idosos, Destilador de Álcool, Caldeireiro, Porteiro e Zelador, Recepção de Hotel e Atendente de Bar, Técnicas de Reprodução Animal, Secretariado e Rotinas Administrativas, Técnicas Agrícolas e Técnico em Vendas.

“Nesse governo nós quisemos criar uma bolsa diferente: a bolsa da qualificação, a bolsa da preparação da mão de obra, a bolsa do ensinar a pescar, a Bolsa Futuro. Assim nós estamos preparando os alunos para o futuro emprego, para a futura qualificação, para competir no mercado de trabalho em igualdade de condições com pessoas que tiveram mais oportunidades”, enfatiza o governador.
Prefeito Itamar Barreto cedendo entrevista às empresas de comunicação de Goiás. O prefeito anunciava a importância de Formosa para o Estado de Goiás.

O Prefeito Itamar Barreto parabenizou todos os concluintes do Bolsa Futuro, agradeceu a presença e o apoio que o Governador tem dado ao município e anunciou obras para Formosa no ano que vem.

Protesto em frente ao evento



Alunos da UEG e servidores públicos protestaram do lado de fora do evento.

No dia 2 de setembro foi decretada a primeira greve dos servidores municipais da Prefeitura Municipal de Formosa. A assembleia geral que ocorreu determinou a completa greve dos funcionários de todas as áreas. É a primeira vez que uma greve dos servidores municipais é decretada em Formosa.

Segundo o SINPREFOR, a crise institucional acontece após a Prefeitura de Formosa não cumprir os acordos firmados na última paralisação.

GALERIA


Servidores Municipais organizam passeata no Centro confira as fotos

04 setembro 2013 / Sem comentários

Os servidores municipais da Prefeitura de Formosa realizam nesta quarta-feira (04), uma passeata que percorreu as principais ruas do centro de Formosa (GO).





A passeata organizada pelo Sinprefor, sindicato dos servidores municipais de Formosa levou às ruas mais de 400 pessoas e ecoou em todo centro. “Servidores na rua, prefeito a culpa é sua” foi um dos gritos utilizados na passeata.


O sindicato relembrou que há um ano atrás o prefeito estava nas ruas fazendo campanha. O vereador Sd. Caetano questionou a administração, e a suposta “blindagem” na Câmara.

Chegando próximo à Prefeitura Municipal de Formosa alguns manifestantes gritaram “Itamar Fora”.

O sindicato também realizou um pedágio na Praça Rui Barbosa. O panfleto dizia. “Nós, servidores públicos, insatisfeitos com as propostas dadas até o momento pela prefeitura, convidamos a todos para o ato público de amor à Formosa a ser realizado no dia 07 de setembro na Praça da Prefeitura para expor a nossa situação e pedir o apoio de todos de maneira pacífica e organizada para reivindicarmos os direitos do cidadão e dos trabalhadores”, estava escrito no panfleto.




Alguns chegaram a dizer. “Se não dá conta de negociar, sai dessa cadeira”, dizia alguns manifestantes.

Galeria